sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Terroristas que atacaram jornal foram mortos, diz Le Monde

Os irmãos franceses de origem argeliana Saïd e Chérif Kouachi, que atacaram há dois dias o jornal satírico Charlie Hebdo, matando 12 pessoas, foram mortos pela polícia da França no assalto a uma fábrica onde estavam escondidos, na cidade de Dammartin-en-Goële, perto do Aeroporto Charles de Gaulle, noticiou há pouco o jornal francês Le Monde.

O outro terrorista, Amedy Coulibaly, de origem africana, que ocupou um supermercado judaico perto da Porta de Vincennes, em Paris, também foi morto pela polícia, acrescentou o Monde. Antes, pelo telefone, ele declarou pertencer ao Estado Islâmico e disse ter coordenado a ação com os irmãos Kouachi. Ainda não se sabe o que ocorreu com sua mulher, Hayat Moubeddiene, que teria escapado em meio aos reféns e está sendo procurada pela polícia.

Há feridos e pelo menos quatro reféns teriam sido mortos, informa o jornal inglês The Independent citando fontes da imprensa francesa. Quando o supermercado foi tomado, houve uma notícia de que duas pessoas teriam sido mortas. A polícia desmentiu essa informação depois.

O prefeito de Dammartin-en-Goële, Michel Dutruge, confirmou há pouco as mortes dos irmãos Kouachi. Decididos a morrer como mártires, eles teriam saído atirando de um escritório da fábrica onde se refugiaram, na cidade de Dammmartin-en-Goële. Quando estavam cercados, em declaração a jornalistas por telefones, Chérif declarou que eles foram treinados e financiados pela rede terrorista Al Caeda na Península Ibérica, com sede no Iêmen.

Chérif Kouachi e Coulibaly se conheceram na prisão, em 2005, quando já eram extremistas muçulmanos. Depois de sair da prisão, ambos frequentavam a mesma mesquita do 19º distrito de Paris, e treinavam para a "guerra santa" correndo num parque nos arredores.

O jornal americano USA Today publicou hoje à tarde que os irmãos Kouachi estiveram na Síria no ano passado.

Nenhum comentário: